• Celso Willian Palma

No Estadão: CEO da Nanox, Gustavo Simões fala sobre a parceria entre universidade e empresas

Parceria entre universidade e empresas: por que ela se torna cada vez mais, tão essencial para o avanço da ciência?


O mundo hoje vive às voltas com diversos desafios. Um deles, mais recente, e que ainda coloca em xeque uma série de questionamentos, é a Covid-19. O surgimento desse vírus voraz, que assolou economias e matou mais de 4,5 milhões de pessoas, mostrou um fato: a importância de se investir em pesquisa e inovação, e o quanto a universidade e o mundo empresarial devem andar de mãos dadas. A chegada do SARS-CoV-2 pegou todo mundo desprevenido. O vírus não pediu licença para entrar, ele derrubou portas de nações, de empresas e da sociedade, fazendo um grande estrago. No entanto, quem já tinha o olhar voltado para a busca de inovação conseguiu rapidamente encontrar soluções para lidar com a pandemia e contribuir para a contenção do vírus. E não existe pesquisa e desenvolvimento de fato, se não temos a colaboração do mundo acadêmico. Posso falar isso por conta da parceria entre universidades e empresas de tecnologia, principalmente aquelas que oferecem soluções em nanotecnologia e que contribuem com soluções que inativam o vírus e barram a ferocidade do SARS-CoV-2. Nesse momento, aquela máxima que diz que “a união faz a força” nunca foi tão verdade. No meio, observo que enquanto as universidades viabilizaram possibilidades, empresas realizam testes para confirmar a eficácia das tecnologias. Investigações experimentais são acompanhadas por cálculos e simulações, feitas por meio de métodos e técnicas avançadas de mecânica quântica, que permitiu a descoberta de tecnologia de prata que são capazes de inativar o SARS-CoV-2 em poucos minutos, dependendo do material onde era aplicado. Essas inovações possibilitaram a criação de diversos produtos que inibem a ação do Covid-19. Fico pensando nas milhares de vidas salvas por conta dessa união. Graças à parceria entre iniciativa privada e universidade foi possível o mercado expandir essa inovação em pouquíssimo tempo – poucos meses após o início da pandemia. A partir daí, um mundo de possibilidades se abriu para sua aplicação: das máscaras, passaram a fazer parte de roupas, uniformes, toalhas de mesa, roupa de cama, pisos, filmes plásticos, móveis, entre outros. Além da prática, a união entre público e privado deu espaço tanto para descobertas como também publicações de artigos científicos. Para finalizar, as parcerias entre universidades e empresas possibilitam inovações que podem mudar o mundo. Outro ponto é que ter a chancela de uma universidade em produtos e soluções se traduz em confiança sobre o resultado. Que as mãos da academia estejam sempre entrelaçadas com a iniciativa privada. Todos só têm a ganhar com essa união.


Gustavo Pagotto Simões é Doutor em Química pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), cofundador e Diretor da Nanox

MAIS NOVIDADES?!

Fique por dentro! Receba conteúdos e outras notícias sobre a Nanox em primeira mão.

005_contact-us.png

 FALE CONOSCO